quarta-feira, 30 de maio de 2012

Um pouquinho de baboseira

Esses dias, me apresentaram uma música e me mostraram o clipe. O final do vídeo é bem inusitado e a música tem uma levada interessante. Até aí, tudo bem. Se não fosse eu digitar o nome da música no Youtube a aparecer um monte de gente criando clipes engraçadíssimos com a canção.
Aí, um artista que domina programas de edição de vídeos fez a junção dos melhores e, abaixo, você confere o resultado. Entre as celebridades, Justin Bieber, Selena Gomez e até Katy Perry.


segunda-feira, 28 de maio de 2012

O final "feliz" do arrastão

Muito se falou nos últimos dias do cachorro Zeca. Em um arrastão em um condomínio residencial, em São Paulo, os assaltantes enganaram e renderam um funcionário. Entraram no prédio e encontraram um amigo do dono do cachorro saindo para passear com o bicho.
Depois de levarem os objetos que queriam, os bandidos, encantados com o cão, resolveram levá-lo também. O dono, desesperado, até cogitou pagar recompensa para quem desse alguma pista de onde estava Zeca.
Os amigos fizeram uma movimentação no Facebook para ajudar. A coisa foi tão séria que virou reportagem em telejornais da Globo. Mas, para alegria geral da nação, o Zeca foi encontrado hoje, seis dias depois do assalto.
Segundo o dono, o cachorro foi encontrado abandonado em um terreno vazio. Já os assaltantes foram presos, no sábado, em uma favela, na Zona Norte de São Paulo.
No Pânico, até iniciaram uma campanha no programa de ontem. Portanto, para o domingo que vem, não vai ter suspense. Só o desfecho de uma história que tinha tudo para ser triste.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Troca de farpas na CMM

Nunca tinha participado de uma votação polêmica na Câmara Municipal de Maringá (CMM). Caramba... Hoje a discussão pegou fogo. Votada em regime de urgência, a questão do salário dos vereadores da próxima gestão.
A salinha de imprensa estava lotada. Band, Futura, Globo, CBN, RedeTV, Record, SBT, todos lá. Claro que fomos atrás da notícia mais quentinha - a tal votação urgente.
Os vereadores haviam aprovado o salário de R$ 12 mil. A população esbravejou e os parlamentares se viram na obrigação de reduzir esse valor. Um dos vereadores bem lembrou, a Igreja, a Ordem dos Advogados e até a Associação Comercial da cidade haviam manifestado posição contrária aos 12 mil.
Na noite de quarta-feira, alguns vereadores se reuniram e decidiram por R$ 6,9 mil. Atualmente, o salário deles é de R$ 6,7, aproximadamente. Como a previsão da inflação gira em torno de 4,5 e 6,5%, o aumento seria menor do que o da própria inflação.
Todos aprovaram o novo salário. Coisa bonita de ver. Até que começou a discussão. Um acusando o outro de querer um salário maior e estar cedendo à pressão popular. Foi até bonito de ver.
Depois, em entrevista, uma vereadora falou que deve haver ordem na casa e eu perguntei: "o que importa: quem aprovou ou o resultado?". Não só essa, mas outro vereador disse que o importante é o resultado e não quem mudou de opinião.
Claro que a população sabe, ou pelo menos vai saber, quem quis salário maior e depois "arregou". Eu tenho alguns nomes na minha cabeça, mas como não voto em Maringá, deixo essa avaliação para os eleitores locais.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Um pouco movimentado

O vídeo abaixo mostra a movimentação durante 70 minutos no aeroporto de Boston (informação sem confirmação). A aceleração possibilita conferir esse tempo todo em menos de 3 minutos. Vale a pena.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

De volta ao blog

O nosso blog tem ficado em segundo plano nesses últimos dias. Aproveito para me desculpar com nossos fiéis leitores. Estamos recebendo muitas visitas diariamente e isso está me animando muito. Hoje volto para falar de um programa de TV.
Desde o começo deste ano, estou com SKY em casa. No condomínio em que eu moro, a construtora fez uma parceira com a prestadora de serviço de TV por assinatura. Então, por um ano, tenho esses canais a mais de graça - pelo menos deveria ser, se eu não tivesse mudado o pacote (rs).
Mas das dezenas de canais, alguns abertos ainda muito me atraem. E a Band está com um programa divertidississíssimo (a la Patrícia Poeta). Eu não sei vocês, mas quando estou esperando o CQC começar, aprendo muito com o tal do "Quem fica em pé?". 
Tudo bem que o Datena não é o melhor apresentador desse estilo de programa, mas ele está mandando bem. Às vezes, até esqueço que ele também apresenta um programa policial um pouco mais cedo.
Se você, caro leitor, ainda não assistiu ao programa, aí vai uma breve sinopse:
Dez pessoas ficam posicionadas na lateral do palco. Um desafiante fica no centro e, de um em um, vai desafiando os oponentes. São perguntas simples, como se fosse um jogo de forca. Cada um tem 30 segundos para responder. O desafiante começa o jogo com 3 vidas. Se derrotar os dez, o jogador ganha R$ 100 mil.
Nunca vi alguém chegar a esse prêmio. Na frente dos oponentes, existe uma "moeda" com o valor que o desafiante ganha quando derruba o outro. Esse valor varia de R$ 1 a R$ 6 mil.
Os onze participantes ficam sobre uma plataforma dividida ao meio. Quem erra, cai em um buraco que só quem já caiu sabe o que tem embaixo.
Aprendi algumas coisas já com esse programa. As perguntas oscilam da mais simples até as mais complexas. 
Eu vi e gostei. Se você quer uma opção à programação dos outros canais, fica a dica.

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Pedestres versus motoristas

Em cada esquina do centro tem uma pintada. Quem domina ela é o povo. Os pedestres têm, sim, o direito de atravessar a rua sobre a faixa, mas alguns abusam do direito.
O sinaleiro está aberto e os pedestres ficam na rua esperando para atravessar. Por quê não espera na calçada? Isso é uma das coisas que mais me irrita no trânsito maringaense. Para andar na rua, temos que desviar de pedestres apressados.
Em outro ponto da cidade, tem uma faixa no meio da quadra. Lá, hoje, quase atropelei um jovem. Estava descendo, no limite da via (50km/h) e o rapaz, simplesmente, "pula" na rua para atravessá-la. Fui obrigado a parar para o beleza passar.
Não acho errado ele querer atravessar na faixa, porém, não custa nada ele sinalizar que quer atravessar e esperar os carros pararem. Essa questão de ter de parar na faixa para todos os pedestres está criando um tipo de cidadão folgado.
Enquanto motorista, vejo o quão difícil é andar na cidade. E enquanto pedestre, também vejo que é mais complicado ainda. Mas o respeito deve ser de ambos os lados. Quem está de carro está mais protegido, por isso a atenção dos pedestres deve ser maior.
Aí, cheguei em casa e vi um comentário no Facebook falando que uma mulher tinha sido atropelada na esquina da Paraná com a Brasil. É bem nesse ponto que os apressados esperam o sinal fechar na rua. Enquanto não houver cooperação de motoristas e pedestres, continuarão acontecendo atropelamentos.