segunda-feira, 5 de março de 2012

Meu dono de estimação - Medita cão

Lua Maria procura Zoe Cristina pela casa e não a encontra. Olha embaixo da cama, na sala de tv, embaixo do armário da cozinha e pensa: - Onde essa criaturinha se meteu, gente?
Como todo cachorro, Lua aciona seu super olfato e sai atrás do cheirinho das patinhas de Zoe.
- Ah, você está aí, é? Escondida dentro das capas do sofá?
- Lua Maria, não me atrapalhe!
- Nossa! E o que o serzinho superior está fazendo de tão especial, no meio das capas do sofá, que não pode ser interrompida?
- Estou meditando, dá licença?
- Medi... o quê?
Gargalhadas expodem no ar. Lua Maria não se aguenta, dá risada deitada, com a barriga para cima, coçando as costas no tapete.
- Eu sabia que você não me entenderia. Por isso mesmo me escondi aqui. Agora, dá licença?!
- Zoe, você é cachorro e nós não meditamos, não fazemos ioga. Nós corremos atrás de bolinhas e pulamos. Nosso exercício é aeróbico, entendeu?
- Você é um cachorro Lua Maria. Eu sou um ser evoluído e transcendental. Apenas "estou" na pele de um cachorro. Mas meu "Eu" vai muito além de latir e comer ração, certo?
- Ó!!! Desculpe, ser divino... e qual é a busca da senhora santidade neste momento de "paz e reflexão"???
- Lua Maria, eu nem deveria responder à sua pergunta porque há muita ironia no seu tom. Mas, como sou um ser evoluído vou tentar te explicar. Eu estou aqui, quietinha, meditando, conectando meu pensamento ao pensamento de nosso primo Billy. Entendeu?
- O Billy? É possível?
- Claro que sim. Nossas mamis não falam com o mundo todo usando o computador, a internet e o facebook? É a mesma coisa. Com a diferença de que eu não preciso de teclados e nem de conexões. As ondas do meu pensamento fazem tudo. Eu penso aqui, ele me responde lá.
- Puxa, maneiro, Zoe. E eu posso fazer também?
- Hum... tem que treinar.
- Deixa eu tentar, deixa eu tentar...
Lua Maria se enfia entre as capas do sofá desmontando com seu tamanho e peso a cabaninha improvisada por Zoe.
- Olha só, você acabou com meu santuário!
Lua se mexe, remexe, focinha as capas, dá umas voltas em si mesma até que as duas ficam cobertas.
- Pronto. Arrumei. E agora? O que eu faço?
- Tá bom! Não vou conseguir mesmo me livrar de você, né? Agora, você respira Lua Maria.
- Só isso?
- É. Pra começar. Vai respirando. Lentamente. Puxa o ar em quatro tempos, mantém o ar e conta até oito e depois solta o ar contando até doze.
- Nossa! Que coisa difícil... respira, respira, respira, respira. Agora fico engasgada e conto até 8. E... Hum, hum... Ufa!!! Solto em um, em dois, em doze...pronto... Ué, não aconteceu nada Zoe...
- Ai, meu mestre Rampur (cão indiano), meu poodle Ri Ponché! Vamos fazer uma coisa Lua? Fica quietinha aí. Respira normal, para de babar na minha pata, certo? Eu vou me conectar com o nosso primo Billy e vou te contando tudo, certo?
- Tá bom, tá bom... Conta aí...
- Aum... Aum... Aum...
- Zoe, você engoliu um motorzinho?
- Quieta Lua! Estou recitando meu mantra: Aum, Aum, Aum...
...
- Lua para de soltar pum aqui dentro! Afff!!! Vai me sufocar...
- Desculpa, maninha, foi mal...
...
- Pois bem, nosso primo Billy está me contando que ganhou uma caderinha. Ele agora anda motorizado. As patinhas traseiras ainda não voltaram ao normal. Às vezes ele consegue  se apoiar sobre elas mas logo perde a força. Por isso, o carrinho é muito importante para ele.
- Puxa! Um carrinho! Maneiro, né? E ele está bem?
- Sim. Está contente, animado. Recebe todo o carinho do mundo da família. Está com saúde, come e dorme bem, e corre pela casa com o carrinho. Ele diz que está tudo certo.
- Legal! Diz pra ele que qualquer dia a gente vai lá, e vai dar uma volta na motoca dele.
- Aum, Aum, Aum...
...
- Ah, não! Pum de novo, Lua Maria?! Sai daqui!!
- Desculpa. Mas, toda vez que você faz esse barulho me dá vontade de rir, daí eu seguro a risada mas o punzinho sai, né?!
- Fora do meu santuário.
- Santuário? Isto é um cafofo, Zoe. Risos... E é muito gozado ver você mastigando mantras.
- Mastigando? É recitando, ignorante.
- Ah, é? E por que você está mexendo a boca?
- É que... bem, eu... você sabe, né? Estou aqui, e esta capa do sofá tem um cheirinho tão bom e eu...fui experimentar e gostei, entende?
- Você está mastigando a capa do sofá?! Nossa! A casa vai cair na hora em que as mamis perceberem.
- É só você não contar nada pra elas, né?
- Elas vão ver, Zoe. Você é maluca!!
- A gente esconde assim, ó... coloca as dobras da capa do sofá em cima do pequeno buraco que meus dentinhos fizeram. Tá vendo? Pronto. Escondi.
- Tô fora, Zoe. Vou sair daqui voando.
- Ah, é? E vai me deixar com toda a culpa?
- Mas, a culpa é sua. Foi você quem comeu o tecido!
- Mas, a bronca será nossa, em conjunto. Quer apostar?
As duas caem do sofá, emboladas na capa. Estão lutando. Acabou a meditação. Começa agora o estado zen sossego. Correrias, latidos, mordidas pelo focinho de uma e de outra. Esse é o estado natural do medita cão. Aum, aum...

Nenhum comentário:

Postar um comentário