terça-feira, 10 de janeiro de 2012

O destino foi cruel

Era para ser uma noite tranquila de final de ano para duas famílias. Em um dos carros, o comerciante Landerson e, no outro, Carlos Fiore. O primeiro acompanhado da esposa, da filha e da sobrinha. Dois delitos e um acidente.
Landerson, na pressa de chegar em casa, furou o sinal vermelho em um cruzamento e seu carro foi atingido em cheio por Fiore, que vinha rápido pela via. Mas, o sinal estava aberto para o segundo que, por uma obra do destino, se chocou com o carro do comerciante.
A polícia prendeu Fiore em flagrante por duplo homicídio doloso, já que a esposa de Landerson, grávida, foi arremessada para fora do carro e morreu. E junto com ela, o bebê que ela esperava. Fiore foi analisado pelos policiais que constataram a embriaguez e, posteriormente, o uso de cocaína.
Talvez, se Landerson não tivesse furado o sinal, os dois chegassem bem em casa. Isso é apenas uma hipótese. Porque dirigir embriagado é crime e pode gerar consequências irreversíveis, como foi o caso deste acidente.
A defesa de Landerson alega que perder filho e mulher é maior do que qualquer pena que o juiz pode aplicar. Mas furar o sinal e matar é homicídio culposo. Tudo bem que ele não tinha intenção de matar ninguém, mas aconteceu.
Um irresponsável cruzou a frente do outro. O destino os colocou na mesma rota e o final foi trágico. Espero que ambos paguem pelo que cometeram. A irresponsabilidade no trânsito mata. Dirigir não é brincadeira. Não é só arma de fogo que mata. Carro também.

Um comentário:

  1. Por enquanto, você é a única pessoa que comenta com sensatez esse acidente. Os demais ou querem que a responsabilidade seja de um ou querem que seja de outro, e ambos são responsáveis (ainda que muito irresponsáveis, por fazerem o que estavam fazendo).

    ResponderExcluir