quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

A matéria-prima errada

Como uma revista, nosso blog sempre passa por diferentes assuntos. No impresso chamamos de editorias. Ontem começou o Big Brother Brasil 12. Pronto, já fiz o comentário sobre esse assunto. Vamos ao que interessa, de fato.
Um tema, para ganhar capa de revistas e espaço em grandes telejornais precisa ser muito relevante. O que temos acompanhado de alguns dias para cá sobre próteses de silicone é, realmente, caso de polícia.
Duas marcas do produto foram proibidas de ser comercializadas no Brasil e em outros países. Uma holandesa e outra francesa. O motivo: utilizavam silicone industrial para próteses mamárias. Em caso de rompimento, as complicações podem ser muito sérias.
Alguns problemas do tipo já foram levantados. Mulheres que receberam silicone das marcas em questão receberão a cirurgia de substituição gratuitamente do governo brasileiro. Um problema centralizado, com falta de vigilância, que vai onerar o Estado.
Concordo que o governo deve prezar pela saúde de sua população que tanto paga impostos. E ninguém deve pagar pela falha na falta de investigação antes de liberar a importação de um produto. Depois que a "bomba" explodiu na Europa, aí sim as autoridades nacionais resolveram investigar.
Lembrando que o Brasil é um dos líderes em cirurgias plásticas e uma das operações mais realizadas é justamente a de colocação de prótese de silicone. Ao todo, 20 mil mulheres devem fazer a substituição. E a investigação ainda não acabou. Talvez outras marcas entrem na dança. Vamos esperar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário