sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Meu dono de estimação - O amor ideal

Mais uma vez, o computador ficou aqui no sofá, dando sopa, e eu vou mandar o texto da coluna de hoje no lugar da minha mami distraída... Ela reclama mas, no fundo, adora quando eu, Zoe Cristina, e Lua Maria escrevemos porque simplesmente damos mais Ibope que ela... Temos mais leitores, atraimos mais público, damos mais cartaz. Coitada, nossa mami se esforça para escrever, busca inspirações, lê bastante, é dedicada. Mas, eu e Lua Maria temos esse talento natural para simplificar as coisas, afinal somos cachorro, né?
Hoje queremos falar sobre o que é um dono, ou tutor, ideal. Outro dia nossas mamis estavam vendo um programa na TV que falava sobre cachorros. Eu estava roendo a ponta do edredom quando ouvi um monte de latidos e fui prestar atenção. A reportagem falava sobre o cão ideal para cada família. Muito bom mas fiquei pensando que também precisamos dizer que, nós cães e gatos, temos nossas definições do que seriam os tutores ideais para nós.
Vamos à lista:
Em primeiro lugar, um dono, ou tutor, para ser ideal precisa ser aquele que não vai nos abandonar na doença ou na velhice. Todo filhote é lindinho, charmoso. Mas quando temos algum problema de saúde é que vemos quem é quem. Muita gente por aí simplesmente desiste de cuidar, abandona o animal na rua, na porta de uma clínica veterinária, numa praça... Já soube de muitos casos assim. Não sei como alguém consegue tomar essa atitude, o ser humano é um mistério para meu cérebro canino. Não quero julgar os motivos de ninguém mas um cachorro não abandona o dono se ele envelhecer ou ficar doente. Muitos cães, inclusive, ficam ao lado do dono até quando esse morre...
Outra característica de um tutor ideal é que precisamos de cuidados básicos como ração, ou comida saudável, água fresca, vacinas, e melhor ainda se tivermos uma cama limpinha, confortável, alguns ossinhos de vez em quando e umas bolinhas pela casa. Não precisa ser nada caro, não. Cães são seres simples, se divertem com pouco e acham tudo muito especial.
Ah, e o dono ideal também precisa nos dar carinho, coçar nossa barriga, deixar que a gente lhe dê algumas lambidas, né Lua Maria? E no meu caso, que sou uma Pintcher, preciso dar umas "mordidinhas" também (risos com cara de sapeca).
E por fim, precisamos de caminhadas, passeios, sol, cheiros diferentes nas ruas.
Bom, o risco do abandono, tenho certeza de que eu e Lua não corremos. Mais do que eu já aprontamos com nossas mães? Acabei com o sofá cavando nele um túnel, roemos pedaços do rodapé da sala, destripei vários bonecos de pelúcia de nosso irmão humano, fiz buracos no meio do edredom novinho em folha, e mesmo assim somos tratadas como princesas. Temos sorte, né? E tomara que nossos companheiros de jornada canina consigam ganhar não somente uma casa mas sim um lar. Onde todo dia haja sol, festa e alegria.
- E aí, Lua Maria? me ajuda a achar um final legal para este texto?
- Zoe, coloca aí: nosso tutor ideal é aquele que tenha o amor como ideal...
 - Forçou, hein Lua?!
- Vai por mim, escreve isso...
- Tá bom, escrevi... Agora, disfarça que a mami está chegando... Vou lamber suas orelhas pra ela achar que a gente não estava mexendo no computador.
- Banho nas minhas orelhinhas de novo?
- Não reclama, que eu sei que você adora...
- Me dá cócegas.
- Vai reclamilda, faz cara de quem está adorando meu carinho.
- Tá, mas não arranca a pele, hein?!
- Psiuuuuuu.... quietinha...

Nenhum comentário:

Postar um comentário