quarta-feira, 4 de maio de 2011

Meu dono de estimação - Não deixe para amanhã o carinho que você pode fazer hoje

Na coluna da semana passada, falei um pouquinho sobre a dor que sentimos quando nossos amigos peludos partem, quando chega ao fim a vidinha deles. Isso emocionou alguns amigos que acabaram num xororô só. Realmente, quando penso no meninão, Leleco Leléo, que se foi, eu também ainda choro de saudade. E é uma saudade que não passa nunca, independente dos novos amigos que existam por perto.
Pensando nisso cheguei à conclusão de que o melhor é aproveitar o tempo deles nesta vida e curtir ao máximo todas as possibilidades. Para isso é preciso estar atento a tudo, a todas as chances de carinho, colo, lambidas, cochilos, enfim... não deixar para amanhã o carinho que poderia ser feito neste momento.
Olho para Lua Maria e Zoe Cristina Primeira, do país das Cristinas, e paro um pouquinho de escrever para ir até elas. As duas estão sobre o sofá e cochilam ao sol que invade a sala. Elas já comeram, já foram passear e agora é a hora do soninho, da preguiça. Encho as duas de beijos e falo com elas naquela língua que só os cachorros entendem.
Elas correspondem, me dão beijos, fazem festa embora estejam um pouco incomodadas porque parece que enlouqueci. Afinal, esta é a hora do cochilo ao sol e cachorros gostam de rotina. Mas, estou quebrando as regras porque quero aproveitar este instante para transmitir a elas o meu amor.
Volto para o computador, elas voltam para o sol. Fico aqui enumerando as delícias que não devem ser deixadas para depois como:
- Cheirar as patinhas do seu cachorro. Eu não conhecia esse detalhe, ele me foi ensinado por meu amor. É uma delícia! Eles têm um cheirinho um pouco salgado nas patinhas e isso pode ser farejado a qualquer momento, mesmo depois que acabam de sair do banho.
- Dormir junto numa noite fria e, na madrugada, quando você se virar na cama vai achar aquele corpo quentinho, adormecido entre suspiros e tremiliques.
- Carinho a todo hora! Quando eles acordam meio sonolentos ainda, abrindo a boca, espreguiçando. Esse é um ótimo momento para massagens na barriga, beijos pelas orelhas e, se houver um tempinho ainda, mais um cochilo antes de levantar... que ninguém é de ferro, né?
- Dar pedaços de maça ou de cenoura na sua mão. Sabe por quê? Porque fazendo isso podemos sentir a respiração do cachorro na palma da nossa mão. É uma respiração quente, macia, macia... Inesquecível!
- Passeios. De todo tipo. Parque, voltas pelo bairro, pelo quarteirão, subir e descer as escadas do condomínio em dias de chuva, andanças com chuva mesmo, passeios de carro. Passeios. Só a palavra já é capaz de despertar a alegria do cachorro que a reconhece e começa a latir, feliz da vida.
- Dançar no meio da sala, com seu amigo no colo. Eles ficam um pouco inseguros no começo da brincadeira mas depois entendem e se deixam ficar. Frank Sinatra é uma boa pedida para esses momentos.
- Fazer que não está vendo que eles estão: roendo seu chinelo um pouco velho, comendo suas plantas gostosas e que não fazem mal, rasgando aquela revista que você ainda não leu inteira, roendo seu chinelo mais novo... Deixa pra lá! Faz cara de "não estou vendo nada disso", vai pra cozinha pegar frutinha que aposto que seu cachorro larga o chinelo ou a revista a vai atrás de você.
Enfim, a lista é interminável. Cada um pode fazer suas adaptações. O importante é saber que nada é para sempre e por isso temos que aproveitar e demonstrar nosso amor hoje, agora, já!
Falando nisso, vou encerrar este texto. É hora da frutinha e depois, dengos e mais dengos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário