quinta-feira, 21 de abril de 2011

"Eu não curti nada"

É isso que diz um adolescente de 17 anos a Caco Barcellos. O jovem está se recuperando da bebedeira em um show de rock, no Rio Grande do Sul. A cena é mais comum do que se imagina. Em todas as festas, todos os dias, têm jovem que vai parar no hospital por causa de bebida.
O Profissão Repórter desta semana fez uma abordagem semelhante à que foi apresentada no programa A Liga, da Bandeirantes, há cerca de um mês. Os programas são semelhantes, porém com equipes e abordagem diferentes.
Ambos são transmitidos no mesmo dia (terça-feira) e quase concorrentes no horário.
A equipe de jornalistas comandada por Caco Barcellos foi designada a acompanhar festas em que os jovens perdem a medida e ficam alcoolizados.
Em frente a uma universidade, em São Paulo, de quarta-feira até sexta-feira, é quase impossível passar de carro na rua. Durante o horário de aula, os supostos alunos tomam conta do espaço e "enchem a cara". É bom beber de vez em quando para desestressar e se divertir? Talvez, sim, mas com responsabilidade, limite e no local adequado.
No programa, um jovem foi o alvo principal da matéria. Ele faz Educação Física, mora com o pai, e a mãe é falecida. Com a pensão que recebe, custeia o porre quase diário. O pai não tem o controle da situação e resta a preocupação com o filho, que não dá a mínima. "Relaxa, pai, relaxa."
É isso que muitos pais ouvem. Já o pai do adolescente que não curtiu a festa, diz que o filho não bebe entre familiares. Porém, aproveita a companhia dos amigos e extrapola a ponto de não lembrar da festa do dia anterior.
Para conferir o Profissão Repórter, clique aqui. Já a primeira parte da Liga, sobre o mesmo tema, está neste link.

Nenhum comentário:

Postar um comentário