segunda-feira, 11 de abril de 2011

Era da sua época?

Há um tempo, me mandaram um vídeo que mostra a evolução das gerações. Incluem-se nisso, Baby-boomer, X, Y e Z. Nesse vídeo, falam que as gerações estão se segmentando cada dia com menor diferença de idade. Diz que  a evolução está acontecendo, atualmente, de 5 em 5 anos.
Sinto mesmo estar em uma geração diferente da do meu irmão, quatro anos mais novo que eu. E, sinceramente, não acho isso de todo mal. As brincadeiras de infância eram outras, os eletrônicos também. O vídeo abaixo é um exemplo disso. De todos os objetos apresentados, apenas o video-game que eu não identificaria.
Veja se tudo isso é da sua época, ou se fita cassete e telefone de disco já eram artigos ultrapassados na sua infância. Ou, então, novidade.



Aproveito para disponibilizar o nosso e-mail, caso queiram sugerir vídeos, comentários ou nos criticar.
macacosnovos@gmail.com

Um comentário:

  1. Assisti esse vídeo tem um tempinho já. Me lembrou muito um documentário que ví, que até recomendo, que se chama: Criança, a alma do negócio. Essa aceleração de produtos, de diferenças, do que é velho e novo, não é mais um acaso do tempo. Hoje essa aceleração é forçada, as diferenças multiplicadas justamente para que as pessoas supervalorizem a percepção do que é velho e novo. Compra-se o novo, descarta-se o velho. Para as crianças, que tem sua juventude prologanda, justamente por dependerem dos pais financeiramente o que aumenta muito seu poder aquisitivo, como estão em processo de formação de opiniões e de ideias, essas acabam sendo alvo fácil dessas diferenças que alguns chamam de globalização. Para identificar essas coisas é bastante fácil: Video-games? Divertia mais antes ou agora com gráficos hiper potentes e máquinas mais caras? Divertia igual. Telefone: te impedia de ligar um telefone antigo em comparação com hoje? Os objetivos são os mesmos, apenas no aspecto físico se diferem e assim sucessivamente. As vezes há uma névoa que cobre o avanço tecnológico com a falsa necessidade humana de desejar as coisas. Abraços!

    ResponderExcluir